HISTÓRIA DA AFINCA

A AFINCA surgiu em contexto histórico, cravada no retorno à democracia no Brasil, em 1985. Essa democracia renascida não foi dada, mas conquistada graças à persistência da população organizada, que redescobriu a necessidade de comandar seu próprio destino, fiscalizando, votando e sendo votada, e assim conduzir sua própria representação. A AFINCA surge neste momento em que uma parcela dos funcionários do INCA se imbuíram deste propósito: influenciar nas decisões centrais visando a expansão  da qualidade de vida e de trabalho, dos que passam grande parte de seu tempo zelando pela população com câncer. A esses, funcionários do INCA e população dedicamos nossa gestão.

De lá para cá, ações tornaram-se vitoriosas e fotosite40parcerias empreendidas por esta associação na defesa desses princípios, cabendo neste momento um balancete nos seus anos de existência.

A AFINCA esteve presente na valorização dos funcionários da extinta Campanha Nacional de Combate ao Câncer, nos anos 80, sem a qual o INCA não teria  assumido, algum tempo depois, através da Lei Orgânica da Saúde que criou o SUS, o papel de coordenador das políticas de câncer no Brasil.

A AFINCA também esteve à frente no enquadramento desses funcionários com a extinção das campanhas e a manutenção de suas atividades, sem a qual certamente haveria uma brusca queda das atividades do INCA. Também negociou a inclusão do INCA na Lei 8691, que criou o Plano de Carreiras para a área de Ciência e Tecnologia, mobilizando seus pesquisadores, o que hoje permite a esta instituição desenvolver-se como entidade modelo, propiciando aos seus servidores um plano de cargos de destaque dentro do serviço público.

Destacamos também a luta pelo reconhecimento dos servidores dos inampsprogramas CEMEQ, PIMAG, PITAC, TRANSPLANTE RENAL, etc, atendidos pela verba da CNCC, através do convênio INAMPS/MS, dentro dos quadros do INCA. Também participamos das reuniões em que foram assimilados pelo INCA os servidores pertencentes aos Hospitais de Oncologia e Luiza Gomes de Lemos, hoje, unidades II e III.

A Fundação Ary Frauzino também contou em seus primórdios com sugestões da AFINCA em sua criação. Nesse tempo, nunca é demais lembrar, os servidores com problemas de saúde eram atendidos improvisadamente na própria instituição, ou no consultório de seus médicos, não contando com um plano de saúde compatível com seus vencimentos, o que só veio a acorrer com a negociação perante a PATRONAL, hoje GEAP. A AFINCA também estava lá. Sem comentar as inúmeras vezes que recorremos ao judiciário na garantia da revisão dos planos econômicos que sempre dilaceravam nosso poder de compra. Como exemplo, os planos Bresser, Collor, URV, e 28 por cento, a qual tivemos vitórias e revezes, mas sempre com a decisão pontual de monitorar nossos direitos no momento oportuno.

Nessa história de pioneirismo e vanguarda, abre-se aqui um capitulo triste. O posicionamento contrário da AFINCA durante o governo FHC, em fins dos anos 90, quando o INCA foi levado à aventura privatizante, através de sua transformação em Organização Social. A Sra. Arli Pereira, então presidente da AFINCA naquele período, debaixo de pressões e retaliações por parte do corpo gerencial, inclusive com reiteradas ameaças visando a retomada da minúscula sala que a AFINCA utiliza nas dependências do INCA, veio a falecer no exercício do cargo. A busca da excelência organizacional a qualquer custo deixou atrás de si um retrato de intolerância às opiniões e posições divergentes. Que esta perda simbolize o fim de qualquer tipo de intransigência, e que o exercício da convivência resulte em formação de consensos, integrando com uma agenda futura os atores sociais envolvidos: população, servidores e gestão.

Enfim, a AFINCA retomou sua vocação de legitimidade perante o corpo Funcional, e bem recentemente legou entre suas ações, a luta pela isonomia dos anistiados, acréscimo de gratificação que consolidou um aumento real dos vencimentos após 10 anos sem reajuste, além de adquirir como patrimônio permanente uma sala para apoio administrativo, saindo do doloroso aluguel, fato raro entre associações classistas.

A imagem real dos compromissos e ações desenvolvidas pela AFINCA nesses anos, ficando neste momento o compromisso público de mantermo-nos herdeiros desta história.